Aparatar Num Não-Lugar

por Duda Gambogi

Sorry, this entry is only available in Brazilian Portuguese. For the sake of viewer convenience, the content is shown below in the alternative language. You may click the link to switch the active language.

Em um mundo de fluxos acelerados, as estações se tornam mecas. Construções futuristas de azulejos e aço inox, simbolizam o I.D.H. dos países que as abrigam e têm a imponência proporcional ao tamanho dos espaços vazios e à imaculação das paredes. Quando inseridos nestes projetos arquitetônicos e de vigilância, os passantes são desencorajados a interagirem com o espaço e entre si. As aglomerações são suspeitas, o ar deve permanecer silencioso, o cheiro agradável, o ambiente climatizado, a limpeza em dia, o fluxo intenso.

Nos países “em desenvolvimento”, como o nosso, e nas megalópoles cosmopolitas e multiculturais, as intenções estéreis de 1° mundo que revestem as estações são insistentemente sabotadas pelas culturas dos outros mundos, nos quais a vivência coletiva é mais cultivada do que o espaço individual (e o número de trabalhadores informais é sempre maior). No Brasil, observamos os códigos de comportamento implícitos no espaço burlados e, com o tempo, ressignificados por conversas altas, celulares sem fones de ouvido, pixos, vendedores ambulantes e afins.

Atentos e afeitos aos efeitos da presença do povo nos espaços, a dupla realizadora Wagner & de Burca aborda, na vasta maioria de seus trabalhos, corpos periféricos e suas manifestações culturais. De microperformances individuais à comunidades como a da indústria gospel e dançarinos da Swingueira recifense, eles se dedicam à existências marginais que, em meio à invisibilização sistemática, se fazem ver e reivindicam seu protagonismo. Em Rise, entretanto, como o próprio nome aponta, o filme não explora o que já está manifesto, mas as possibilidades em ascensão, a potência desses tipos de existência nos não-lugares em que a arquitetura parece suceder em tolher as expressões do povo.

No universo — com a mesma proporção de vazio do universo real, diga-se de passagem — de uma estação-meca  (tecnológica, enorme, canadense) sujeitos imigrantes (negros, árabes, latinos) começam a aparecer. A disparidade declarada entre os corpos e os espaços é elevada à décima potência pela fotografia clássica dos cineastas que, em um uso esparrado dos artifícios de transformação da realidade, chapam a profundidade do quadro e lançam luz sobre os sujeitos. Hiperdestacados do entorno, os passantes se tornam protagonistas do plano e um nível ainda mais elevado de magia cinematográfica nos permite ouvir os pensamentos e canções que guardam para si.

Reenquadrada para a escala humana, a amplitude opressora que reforça a pequenez e a solidão dos passantes se reconfigura para uma falta que convida ao preenchimento. Durante cada performance, o quadro se dedica exclusivamente aos pensadores, poetas e cantores. Na ausência de vigilância alheia, o templo se converte em um palco particular e o próprio vazio, manipulado por uma edição de som primorosa, passa a reverberar a voz e os movimentos dos sujeitos. A mudança de ângulo subverte a relação: se antes e historicamente, as personagens que partiram em diáspora para um país desenvolvido transitavam caladas e corridas pelos templos que reforçam o seu não-pertencimento às nações do futuro, agora, ao evocar a própria história, elas ascendem sobre ele.

Apesar de diversas expressões nos mostrarem uma subjetividade nuançada e a relação das personagens com sua ancestralidade, a estética minimalista dos cineastas que protagoniza, invariavelmente, a performance, descola as figuras não apenas do espaço, mas de sua história. Como em uma relação que estabelecemos com estranhos no metrô, percebemos (e imaginamos) o outro pela superfície, através de sua aparência e da expressão que ele nos oferece nesse breve contato.

A mesma construção controlada que nos priva de um entendimento mais complexo e rico das relações que tensionam esses não-lugares, por outro lado, imerge essas aparições em um suspense que, somado ao voyeurismo da leitura de pensamento e à virtuose das personagens, apresenta cada plano como um pocket show. A estática que se cria perpassa o corpo de quem assiste, sustentando a empolgação* para o próximo número e parece, também, unir telepaticamente as performances individuais desconectadas pelo espaço, sugerindo (ou já formando) novas comunidades/reunindo comunidades perdidas.

Em busca de uma visibilidade sistematicamente negada, existências imigrantes abrem seu espaço pessoal para a câmera e, através do cinema, transgridem e conquistam o espaço controlado dos não-lugares. Ao passo que cria um imaginário das relações que poderiam nascer desses territórios inférteis, Rise, ao se dedicar a pessoas e situações reais, também nos mostra que o mundo fantástico no qual sujeitos marginalizados saem da margem para triunfar sobre espaços de opressão já está dado, basta direcionar o olhar e espalhar a palavra.

*(Falo por mim e pelas cabeças dançantes ao redor)


*este texto foi produzido como parte da Oficina Corpo Crítico – Cinema em Perspectiva: Reconfigurações do Fazer Crítico, ministrado pela crítica Kênia Freitas